Feeds:
Posts
Comentários

Archive for the ‘DIVERSOS’ Category

TORTAS SALGADAS

Devo avisar que é especialidade da minha esposa, Dona Olga. Ela tem feito e tem ficado muito boas. Eu nunca fiz.

INGREDIENTES
2 tabletes de margarina fogo e fogão
2 copos de farinha de trigo  –   1/2 copo de água com 1 pitada de sal

PREPARO: 
Coloque os ingredientes em uma vasilha e amasse bem até ficar uma massa consistente mas não muito dura.
Em uma forma refratária ou pirex, distribua a metade da massa, forrando bem as bordas.
Reserve a outra metade para a co bertura (tampa).

DEPALMITO
2 vidros de palmitos picados, descartadas as partes duras, se houver
1 xicara de café de azeite  =-  1/2 ceb ola e 1 dente de alho picados
2 colheres de sopa salsa e 2 tomates picados
1 pimenta vermelha dedo de moça sem a semente, picada (pode ser 2, se gostar)
1 colher de sobremesa de maisena dissolvida em 1/2 xicara de chá de leite
7 azeitonas picadas  –  3 ovos cozidos picados e 1 pitada de sal

PREPARO – do Recheio
Faça um refogado com azeite, cebola, alho, tomate, salsa e maisena dissolvida no leite
Acrescente o palmito picado, as azeitonas e os ovos e misture bem
Coloque sobre a massa e tampe bem fechando as bordas
Leve ao forno, 180 graus por 45 minutos, desligue e deixe amornar no forno.
Nao servir muito quente.

DE FRANGO
2 peito de frango cozido  e desfiado    –   1 copo de requeijão
1 xicara de café de azeite  –  1 cebola pequena e 2 dentes de alho picados
1 tomate picado  –  sal e pimenta do reino e orégano a gosto

PREPARO – do Recheio
Faça um refogado  com o azeite, cebola, alho e tomate picadinho
Junte o frango, o requeijão, sal, pimenta do reino e orégano
Coloque sobre a massa e tampe bem fechando as bordas
Leve ao forno, 180 graus por 20/25 minutos, desligue e deixe amornar no forno
Não servir muito quente.

DE ATUM
Refogar 2 latas de atum ( com ou sem sardinha) , cebola, alho, pimenta e azeitonas, juntar 1 pouco de ricota ou queijo ralado.
Polvilhe queijo  ralado antes de levar ao forno.

Outras variações são possíveis, como escarola com bacon, espinafre com catupiry, etc. – use a imaginação.

Anúncios

Read Full Post »

INGREDIENTES

800 grs de carne moida (patinho) – pedir para moer duas vezes
250 grs de trigo para quibe
4 ramos de hortelã  –  1 cebola grande picada   –   2 dentes de alho picados
2 colheres de chá de sal   –   suco de 1 limão pequeno
1/2 colher de sobremesa de canela em pó   –   1 colherinha de café de pimenta do reino
2 colheres de sopa de margarina   –    6 folhas de cebolinha picadinhas

PREPARO

Coloque o trigo de molho na água uma hora antes, lavando e  escorrendo a água  com cuidado, para ficar só os grãos
No processador passe todos os gtemperos   ( metade da cebola, o alho, a canela em pó, o suco do limão, a hortelã, o sal, a pimenta do reino ),  e um pouco da carne moida para o tempero ficar pastoso.
Escorra e esprema bem o trigo com a mão para ficar bem seco e coloque em uma bacia junto com a carne moida.
Junte a pasta com os temperos e  misture bem   (não se esqueça que a melhor ferramenta para isto  é a mão). Divida a carne já temperada em duas metades iguais.
Em uma forma retangular pequena besuntada com azeite, coloque a metade da carne abrindo bem até as bordas da forma.  Esparrame por cima a outra metade da cebola picada misturada  com a cebolinha e cubra com a outra metade da carne, prensando bem.É interessante tambem cortar em quadrados com uma espatula (riscar) antrs de colocar para assar.

Leve ao forno 180 graus 50 minutos, ou até assar, conforme o forno. Desligue e deixe no forno mais 5 minutos
Se gostar, dê uma pincelada de shoyo, antes de desligar que fica bom.
Cortar em pedaços com uma espátula na hora de servir. Os primeiros pedaços sempre são mais dificeis de tirar.

Read Full Post »

A criação deste blog, deve-se  as  inumeras receitas que fui anotando e experimentando durante muitos anos.

O objetivo principal é evitar que o computer fique lotado e de que possa ocorrer uma pane e o trabalho ficar perdido.

Devo avisar que sou muito prático e como cozinho diariamente, sou inimigo de receitas complicadas ou sofisticadas. Apesar de todas as receitas terem sido testadas, agradeço  criticas e sugestões, dos que por interesse ou curiosidade, tenha visitado este Blog.

Assumi esta função de cozinhar diariamente, depois que o meu filho André se acidentou, ha 8 anos, para deixar a minha esposa mais livre para os trabalhos da casa e sempre consulto as receitas , principalmente as que estou sem fazer a muito tempo.

Este blog serve de Manual para mim e poderá ser útil tambem para os amigos que quizerem consultá-lo.

A foto é só pra mostrar o avental que ganhei da minha ex-nora Elaine, como presente do dia dos pais. (ago-2011)

Esta minha vocação para a culinária descobri acidentalmente.

Há 50 anos atrás, estava eu com mais ou menos 24 anos, trabalhava na Mc Erikson Publicidade em São Paulo, junto com mais 4 amigos que, como eu, vieram de Mococa.

Como eles nunca tinham visto o mar, tivemos a ideia de passar um feriadão no rancho do meu primo Milton na Vila Mirim na Praia Grande, que naquela época era deserta.   Tivemos que levar mantimentos e ingredientes para cozinhar.

No primeiro dia, o meu amigo Espicha que deveria ser o cozinheiro da turma, resolveu fazer um macarrão alho-óleo.

O Espicha não soube cozinhar o macarrão “al dente”, cozinhou de mais e provavelmente com pouca água e ficou um grude, não desgrudava da concha e da panela. Na época havia uma propaganda  que usava a expressão:    ESSA  COLAAAHHHH?,   e era isto que falávamos.

Jogamos tudo no mato e nem os porcos que haviam no local, quizeram comer.

No dia seguinte, depois desta experiencia, ninguem queria arriscar a cozinhar. Foi aí que eu parti para o sacrificio e falei, eu acho que consigo fazer um arroz, eu sei  mais ou menos como a minha mãe faz e posso fazer uma salada completa. Cozinhei uns ovos com legumes, coloquei cebola e  tomates e o tempero tradicional, sal vinage e oleo. Não sei se estavam todos com fome, mas todo mundo gostou e limparam os pratos.

Conclusão, tive que cozinhar novamente no dia seguinte e  além do arroz,  fiz omelete , sardinha e  outros enlatados.

Depois de casado, já com filhos pequenos, começamos a nos  reunir todos os domingos na casa do meu sogro( japonês – Sr.Tadasu ), ficando cada semana uma familia encarregada do almoço.

Quando chegava a nossa vez, era eu quem cozinhava. Então tive que aprender a cozinhar para 15 pessoas (eram 4 familias). Entrei na fase dos panelões, das feijoadas, virados, assados, churrascos  e a japonesada  gostava. Comigo,aprenderam também a gostar de caipirinha.

As sobremesas ficavam sempre por conta das tias solteiras que não sabiam cozinhar. Meu sogro e minha sogra faleceram e o costume foi encerrado.

Só voltei a cozinhar, desta vez pra valer, ha 8 anos após o acidente do André, conforme já falei anteriormente.

Eu como administrador de empresas, tive que  aprender a administrar a geladeira e a dispensa e a programar o rango (menú) para os dias da semana, evitando repetições e fazendo uma ração balanceada, ou seja, com carnes, peixes, frangos, frutas, vedruras e legumes.  A Dona Olga faz o Supermercado e compra os ingredientes que  gosta, eu analizo as compras e faço a programação. Alguns pratos são especialidade dela e ela gosta de fazer e eu não, Ex: Tortas, bolos, panquecas e carne (lagarto) assado na pressão que eu corto em  fatias bem finas. Nestes dias, eu descanso um pouco, mas pero no mucho, porque tenho que fazer os acabamentos.

Por falar em descansar, sem querer eu captei uma conversa de uma senhora com uma amiga, e ela falou: só descanso quando vou para a cozinha? Eu pensei: É  VERDADE. Não sei qual seria o problema dela, mas cozinhar sem ninguem perturbando é uma Terapia e é por isso que não reclamo.  Já li uma entrevista de moço novo, cozinheiro que declarou: se eu para de cozinhar, eu morro ou fico louco. (é exagero !?)

Vou deixar para fazer mais comentários conforme for apresentando as Receitas.

Read Full Post »