Feeds:
Posts
Comentários

Como eu sempre digo, peito de frango é como chuchú, não tem gosto de nada, temos que inventar.

INGREDIENTES

1 peito de frango cortado em cubinhos
4 cenouras e uma beterraba cortados em pedaços pequenos
1 cálice de shoyu
2 colheres de sopa de mostarda 2 dentes de alho picadinhos
Sal e pimenta do reino a gosto
1/2 xícara de óleo
1/2 xícara de queijo ralado

PREPARO

Tempere o frango de véspera com sal, alho, pimenta e mostarda.
Cozinhe a cenoura e a beterraba 15 minutos com água o suficiente para cobrir os legumes.
Desligue e deixe a panela tampada por mais 5 minutos. Coloque o shoyu e bata no mixer, podendo ficar alguns pedacinhos.
Em uma peneira coloque o frango deixando escorrer o excesso de tempero na panela de legumes.
Refogue bem no óleo o frango em uma boa frigideira ou panela e por ultimo acrescente o creme de legumes, cozinhando por mais 5/10 minutos, colocar o queijo ralado, desligar o fogo e deixar a panela tampada por mais 5 minutos.

DICAS

Se fizer com o frango desfiado, pode ser transformado em risoto com arroz pré-cozido.
A cenoura pode ser substituída por cabochá (abóbora japonesa) sem a casca.
Serve 4 porções

Anúncios

INGREDIENTES

1 Kg batata média
200 g de bacon em pedaços pequenos
1 copo e meio de leite
1 colher de sopa de farinha de trigo
1 xícara de queijo parmesão ralado
1 xícara de muçarela ralada

PREPARO

Cozinhe com um pouco de sal as batatas descascadas e cortadas em rodelas, não deixando amolecer muito.
Em uma forma retangular pequena, coloque as batatas distribuindo bem. Bata o leite, e a farinha no mixer e coloque para ferver, mexendo até engrossar bem. Junte o queijo, mexa bem e despeje sobre as batatas espalhando bem.
Frite o bacon sem óleo, mexendo sempre para não queimar. Escorra o excesso de gordura e jogue por cima do creme de queijo.
Leve ao forno 180 graus por 5 – 10 minutos, não precisa servir muito quente.
Para servir, corte em quadrados com uma espátula dura.

Obs.: se quiser pode prensar um pouco as batatas com garfo antes de cobrir com o molho branco.

Serve 3 a 4 pessoas

A Paleta é uma carne de segunda muito saborosa, ideal para fazer cozidos.

INGREDIENTES

1 quilo e meio (uma peça) de paleta bovina
1 cálice de cachaça, 1 colher de sopa de mostarda, molho de pimenta ou pimenta do reino a gosto
1/2 colher de tempero completo ou 2 tabletes de caldo de carne (o tempero completo costumo fazer com sal grosso e ervas)
3 folhas de louro e 2 colheres de alecrim picado
4 colheres de óleo e 5 dentes de alho picados
1 xícara de molho de tomate
2 cenouras em pedaços grandes
1 chuchu em pedaços grandes
1 prato de repolho lascado, 1 cebola grande em pétalas (corte em quatro e separe as pétalas)

PREPARO

Limpe a paleta tirando sebo e excesso de cartilagem e corte em cubos grandes.
Deixe a carne com os temperos na geladeira no dia anterior. (exceto o tempero com sal).
Coloque em uma panela de pressão e cubra com água, o molho de tomate e o tempero com sal, no máximo 2 cm acima da carne.
Cozinhe por 40 minutos após pegar pressão.
Espere perder a pressão e volte ao fogo colocando os legumes e cozinhando com a panela aberta para encorpar o caldo.
Coloque na ordem a cada 5 minutos: a cenoura o chuchu.
Finalmente frite o alho e jogue por cima, acrescentando o repolho e a cebola.Misture bem, desligue e tampe a panela.
Aguarde mais 10 ou 15 minutos para servir com arroz, pimenta e farinha de mandioca torrada.

QUE SACO
Boolero: Siempre que te pregunto….. que saco, que saco, que saco.

RALA MAGUIL
Rala Maguila rala, Maguila rala, Maguila rala, ai ai…

JOAQUIM MERECE A MEIAÉ AMEIA
A mesma música do Maguila: O Joaquim merece a meia, o Joaquim merece a meia, o Joaquim merece a meia

TÔ COM PULGA NA CUECA
Sucesso da Miriam Makeba: Tô com pulga na cueca, pa ti pa tatá.

BOLEROS DE GREGORIO BARRIOS
Maior cantor de boleros na década de 50. Tinha no repertório músicas que só falavam de mulheres más.
Apareceu lé em Mococa e a plateia pedia para cantar: Ingrata, Perfidia, Traicioneira, Hipócrita, Perdida, etc…
Nisso, um gaiato na plateia pediu Filha da p…

COMPASSO DE ESPERA
Antigamente, os conjuntos musicais faziam uma pausa , geralmente para decidir qual a proxima musica, ou mesmo para tomar uma água e ficavam em compasso de espera:
Na bateria com a vassourinha: tchan tchan pum… tchan pum …
Com a sanfona: nheco nheco pum… e a mais conhecida era: Tô ficando véio, tô ficando fraco, encolhendo o pinto, espichando o saco… tô ficando véio, tô ficando fraco…
Hoje em qualquer restaurante ou festa não existe mais isto, só tem o conjunto do Eu Sozinho com teclado que toca musica automática ou o famoso violão com Bos…a Nova que até o Mike Tyson canta.

INTRODUÇÕES
Antigamente, todas as músicas tinham introduções, algumas eram mais conhecidas do que a propria música, ex: Feitiço da Vila, Mulata o teu cabelo não nega e muitas outras.
Ouça um CD do Trio Los Panchos e aprecie todas as introduções de cada música, uma mais bonita do que a outra.

TIRIRICA<
Florentina de Jesus e India seus cabelos, repetindo sempre a mesma estrofe.
Quem pensa que isto foi invenção dele, está muito enganado, ligue na Mix FM ou na Disney FM e vão ouvir dezenas de músicas que repetem a mesma estrofe ou a mesma melodia do começo ao fim. (só que são americanas e estão na mídia comercial,acho que dão lucro)

PARECE QUE NÃO SEI
De Patropi e Le Pera
Eu não sabia, que voce sabia, que ela sabia, que eu não sabia, que ela sabia… Parece que não sei? Repete.

MARCHA MILITAR
Miotp tocada nas fanfarras escolares nos desfiles
Corneta: Quero cagá mais num posso – Surdo: Toma purgante, caga bastante, toma purgante, caga basyanye, toma p…

INESQUECÍVEIS DE VERDADE
Devo ter várias dezenas considerando só as melhores de cada nacionalidade e de cada época.
Sempre gostei de todo tipo de música, desde a sertaneja (não sertanojo tipo faroeste) até musicas clássicas populares. Adoro música russa.

Se no jantar me perguntarem o que comi no almoço, provavelmente vou dizer não me lembro.

O médico que me disse que com 78 anos é normal falhar a memória recente.

Em compensação, memória antiga está cada vez melhor.

Antes que ela se apague vou deixar anotado umas recordações sobre alguns amigos, figurinhas carimbadas:

ANTUNES

Era o contador e eu o sub-contador. Todas sextas feiras, saíamos juntos para um happy hour e comprávamos um bilhete da Loteria Federal, meio a meio. No fim de semana que eu fui para Mococa na segunda-feira ele estava me esperando com um sorriso de orelha a orelha. Ele tinha comprado o bilhete sozinho e ganhou no primeiro prêmio. Comprou um carro, aplicou no over e me pagou um jantar, como consolação.

Com ele, no largo do Arouche, no Rei da Caipirinha, com duas ou três caipirinhas peguei o maior fogo. Fiquei uns 4/5 anos sem poder tomar caipirinha ou outra bebida doce.

Em loteria eu nunca fui bom. Em Mococa comprávamos da Loteria Mineira, o bilheteiro que era nosso amigo abriu um leque com os bilhetes, eu peguei o 3436 e o meu vizinho pegou o 3435. O meu vizinho ganhou o primeiro prêmio e eu fiquei com a aproximação. Consegui fazer um terno de linho com os quebradinhos que ganhei.

Para não dizer que nunca ganhei nada, ganhei um despertador em uma rifa na Cumbuca.

Este prêmio teve dois significados importantes: 1) O despertador era para eu lembrar que tinha que acordar sempre cedo para trabalhar, o que fiz a vida toda. 2) Para quem não sabe a Cumbuca é aquele sistema que quem ganha é aquele que não é sorteado e fica por ultimo. Entenderam porque eu ganhei?

PETER

Pedrinho era um Office Boy que trabalhava na firma e como a firma era alemã, resolvemos apelida-lo de Peter.

Pense numa pessoa chata. Ele era 10 vezes mais chato.

Naquela época os Bancos da Rua Boa Vista tinham balcões de mármore e davam como ficha de espera uma moeda grande. O pessoal do Banco pedia pelo amor de Deus para não mandar o Peter fazer os pagamentos, porque ele pegava a ficha (moeda) e ficava fazendo pim – piririm – pim pim no balcão.

Mas, ele tinha uma utilidade. Recebemos dois fiscais do IPI, e como eu estava ocupado com o encerramento do balanço, coloquei-os na sala de reunião e apresentei o Pedrinho: este moço é nosso arquivista, podem pedir os documentos que precisarem que ele pega na hora. O Pedrinho sentou do lado dos fiscais e ficou de plantão. Uma hora depois os fiscais foram embora e se despediram dizendo que voltavam na segunda feira. Não voltaram até hoje.

NOMES DIFERENTES

O Suzuki, quando se apresentava: Prazer, Suzuku, aquele que não faz onda (Honda).
O Durante, fazia questão de dizer que não era antes nem depois, era durante.
O Epapharol,geandde colega, infelismente já falecido, dizia pode me chamar de Epa.

IVO MARTINELLI

Ele falava: Nunstã, tá nasquina do banco dustado, era alvo das nossas imitações.

CARLINHOS

O desmancha rodinha. Quando ele chegava o pessoal ia saindo. Dominava qualquer assunto e começava a dar aula sobre o assunto que estávamos conversando. Se fosse cinema ele sabia até o nome do dono da Metro, Fox, etc. Uma vez estávamos falando sobre fotografia, assunto que era a minha especialidade, ele entrou e ai eu vi quantas besteiras ele falava.

PRIMO E SECONDO

Eram dois irmãos gêmeos (meus primos), mas não eram gêmeos idênticos. O Primo nasceu primeiro, era mais bonito e muito educado. O Secondo, além de feio era muito malcriado. Não falava duas palavras sem intercalar um “pqp”. A empregada subiu na balança para pesar e ele: pqp. Só de bunda pqp 2 arrobas pqp.

MAKOTO TANAKA

Colega na escola técnica em curso noturno que gostava de jogar futebol, que jogávamos na hora do recreio, geralmente usando o fruto da paineira como bola. Ninguém conseguia tomar a bola dele. Motivo: Ele tinha um pé defeituoso tipo equino que era duro como pedra e um pisão dele fazia um belo estrago. Chamávamos ele de Matoco e ele ficava p. da vida.

Me recordo também nesta fase de duas coisas interessantes o circo que ficavam ao lado e tocavam o tempo todo: Chiquita Bacana e no final da aula íamos paquerar as artistas do circo que eram bonitinhas. Surgiu também um negocio chamado Coca Cola que davam para experimentar e todo mundo achava horrível.

VITORINO DA CONCEIÇÃO

Ele gostava de promover teatrinho na casa dele, colocava cadeiras e até cobrava ingressos, geralmente pagos com palitos de fósforo. O interessante era como ele anunciava o início do espetáculo: atentão, atentão, ati tem tá falano é o Vitolino da Tonteitão, e prosseguia com o pimeilo numelo. O interessante é que o Cebolinha só foi criado 30/40 anos depois.

BOLA SETE
Era um preto muito extrovertido e que era muito querido em Mococa. Nunca fiquei sabendo o nome dele, sempre o chamei de Negão e ele nunca reclamou. Se fosse hoje, seria processado por racismo. Uma veez.na Rua Direita que antigasmente era reduto da criolada, ele me viu e coom a voz forte que elle tinha, gritou: MOCOCA, o Mococa e veio correndo me abraçar.
Aliás, eu tive vários amigos pretos e nunca tive problema nenhum com eles.
Hoje, chamei um menininho, no eelevador de japinha, a minha cunhada me repreendeu dizendo que os pais poderiam me processar.
É mole? Estamos no Brasil.

CHICO BARBEIRO
Não podia deixar de falar sobre o meu amigo Chico.
Ele foi um dos barbeiros mais conhecidos de Moema. Quando o sóoio dele faleceu, ele fechou o salão e levou uma cadeira para a casa deke. Os fregueses, a maioria gentes importantes, médivcos, diretores, erc. o procurarame ele começous a atentender na edicula de sua casa. VVários clientes dele já faleceram, alguns, freguereese a mais de 50 anos, Hoje com 90 anos, parou de trabaslhar com 89. Costumavamos dizer que ele tinha aparado a barba de Dom Pedro, por ocasião da independencia.
Era uma barbeiro comum, mas era muito bom de papo, conversava sobre todos os assuntos e ficava sempre atualizado com as piadas.
Ele contou como adotou a sua cachorrinha.Um vira latas apareceu na porta da sua casa e a mulher dele deu um prato de comida.
Mo dia seguinte o cão apareceu acompanhado de uma cadelinha.A esposa do Chico falou, tudo bemn. ondde ciome um come dois e deu mais um pratto de comida.
No terceiro dai só apareceu a cadelinha. A mulhrt do Chico deduziu, pô, o cachorro só trouse ela aqui para ensinar o caminho aonde ela iria ter comida. Adotaram a cadelinha que viveu com eles ppo mais de 15 anos.
Parei de frequentar o ss
salão do Chico por não ppoder diorigir. Hopje tem dois salões pperto de casa, um só fala dd futebol e outro parece um velório, se conto uma piada, não sei se não entenderam ou se, se ofenderam,. pela cara feia que fazem.

RABADA

INGREDIENTES

2 kg de rabo bovino
1 xícara de óleo
1 xícara de molho de tomate
2 tabletes de caldo de carne
3 folhas de louro
1 cebola pequena picada
5 dentes de alho picados
1 colher de sopa de alecrim picado
1 colher de chá de pimenta do reino
1 litro de água fervendo.

PREPARO

Coloque todos os temperos para ferver em 1 litro de água (exceto o alho, a cebola e os tomates).
Em uma frigideira grande frite bem no óleo todos os pedaços do rabo.
Escorra o excesso de óleo e coloque os rabos na panela de pressão.
Cubra com a calda quente e cozinhe por uma hora. Deixe terminar a pressão, frite o alho e a cebola com pouco óleo, jogue por cima e cozinhe na mesma panela sem a tampa por mais meia hora no fogo baixo. Durante o cozimento junte os 2 tomates picados.

Obs: Se gostar, frite o alho e a cebola com um pouco de bacon bem picadinho.

Esta mesma receita serve para cozido com carne de segunda, acém, paleta, etc. Neste caso, com 10 minutos a menos na pressão e depois com batata, cenoura e outros legumes.

VIVA O BRASIL

Sobre este tema, daria para escrever uns 20 livros, mas vou lembrar apenas alguns contos mais comuns.que presenciei

ROLAND GARROS

Conheço bem São Paulo, só me perco no ABC e na Zona Leste.
Estive na Zona Leste procurando a Rua Roland Garros (“rolan garrôs”) e não achava de jeito nenhum. Ninguém sabia onde era, até que finalmente um iluminado perguntou: rolandi gárrus? Isso isso isso. É ali no segundo farol.
O pior foi que depois fui na padaria e pedi uma cerveja Muchen, o garçom me corrigiu MIXIN. Pois é, quando falo certo ninguém me entende, quando falo errado me corrigem.
Para encerrar com chave de ouro, fiz a besteira de perguntar, como é que eu faço pra voltar para São Paulo, ficaram bravos. Ué, aqui é São Paulo.
Depois disto, morando no Campo Belo, cansei de ensinar aonde fica a rua Demosténes. DEMÓSTENES.

SANTINHOS

Uma das poucas coisas que gostei de ver na Europa foi em Paris. Estava em uma praça, não sei qual e estava tendo uma passeata com mais ou menos 300 pessoas Estavam distribuindo folhetos e atrás vinha um caminhão com um grande aspirador. Terminou a passeata e a praça tinha ficado limpinha.
Na Av. Indianópolis, aonde votava o ex-presidente Fernando Henrique, ficava 2 quarteirões branquinhos de santinhos.
Se tivéssemos uma maquina daquela era uma beleza.

BATATA CHIP

No Botafogo, Rio de Janeiro, peguei um sucateiro se ajeitando para almoçar. Tinha acabado de chegar de viagem e tinha sobrado um tubo de batata chip com mais da metade. Peguei no carro e dei para o sucateiro. Achei que ele ia ficar feliz, mas ele nem me agradeceu e colocou em um canto. Pegou uma lata de bolacha daquelas ovais, colocou um macarrão, umas verduras e legumes, chacoalhou bem que até ficou bonito. Comentei: Isto num restaurante francês, vale uma nota preta. Pegou uma garrafinha de iogurte com cachaça, disse que era para abrir o apetite e comeu tudo. Depois tomou um pouco de água na torneira do bar. E não sei o que ele fez com a batata chip.
Conclusão: no Brasil não tem revolução porque brasileiro não passa fome. Veja quanta sobra boa fica no fim de feira.
A maioria com um feijão e uma cachacinha fica feliz.

RESIDENCUA
Tem um morador de rua, aqui perto, que dorme toda noite na porta de uma loja, aos domingos a entrada fica fechada com corrente para os carros não estacionarem, ele lava as suas roupas e com o jeitinho brasileiro, us a corrente como varal no sol e fica na sombra apreciando o movimento, como se estivesse na propria casa.
MAMÃE EU QUERO
Em 1996, na Europa, depois de não aguentar mais ver igrejas e museus, finalmente, em Nápoles, o guia falou: hoje vamos conhecer uma verdadeira cantina Napolitana. Pensei, achei que que seria ótimo, pois não aguentava mais ver museus.
Chegamos recepcionados por um grupo típico e sentamos em uma pequena arquibancada com palco e com um conjunto daqueles que não precisa de microfone, com uma voz forte e boa. Estava adorando, mas não conseguia ouvir, por causa do galinheiro que estava na plateia. A mulherada não parava de falar. Só pararam quando o conjunto começou cantar Mamãe eu quero e Cidade maravilhosa. Fizeram a maior festa. PQP.. – Gastei uma nota preta para chegar em Nápoles e ouvir MAMÃE EU QUERO e CIDADE MARAVILHOSA?

1/2 LITRO E OUTROS

Chego num Fast Food no SP Market:
Me dá um chopp de meio litro;
– Só tem de 300 e 500 ml.

Na lanchonete da AACD (mais de uma vez):
Me dá um cafezinho;
– Grande ou pequeno?

Numa padoca chique (padaria)
Me dá um misto de salaminho.
– Só salaminho? ? E o queijo, joga fora?

CELULAR

Entrei no elevador, uma mocinha bem arrumadinha, falando no celular, nem me cumprimentou.
– E ai, cumé que Nois fais?
ENTENDI.

ESQUERDA-DIREITA

É incrível como tem gente que não sabe.
Quando peço informação, geralmente pessoas bem vestidas, é normal ver a dificuldade que elas tem para dizer qual é a esquerda ou direita.
Numa ocasião a moça disse com a mão esquerda o Sr. vira à direita e depois com a mão direita, depois o Sr. vira à esquerda.
É óbvio que segui as mãos.

MANUTENÇÃO E CONSERVAÇÃO

São dois palavrões na Administração Pública.
A passarela do Aeroporto de Congonhas e alguns museus tombados pelo PATRIMÔNIO HISTÓRICO são alguns exemplos. Ou apodrecem, ou são destruídos por incêndios, mesmo administrados por gente da alta sociedade. Em vez de gastar com alguns empregados para a manutenção, é muito melhor gastar milhões reconstruindo tudo.

CALAMIDADE PÚBLICA

É a alegria dos prefeitos. Uma enchente dá uma verba legal dos governos estadual e federal.
A maior parte do dinheiro??? DESAPARECE.

MINA
Outra coisa que só existe no Brasil
Em Socorro-SP, numa dessas lojinhas qie vende doces, fui lavar a mão e a torneira não fechava.
Avisei a Dona e eele afirmoou que não tinha problema, era agua da mina e ia para o corrego.?